segunda-feira, 11 de maio de 2020

Lobo do Mar 10 Anos (parte 2)

“Spinning”
Boas pessoal!
Tal como tinha dito no último relato, a próxima pesca que iria fazer teria como objectivo comemorar os 10 anos de existência do blogue “Lobo do Mar” para quem não leu fica aqui o link: Lobo do Mar 10 Anos (parte 1)
Pois é, então um dia destes fui matar saudades da pesca e de uma zona que eu tanto gosto e onde já não ia há bastante tempo. No início ainda ponderei se devia fazer um surfcasting ou spinning, como a logística para a pesca ao fundo é muito maior em termos de material a levar, isco, etc e nem sabia se ia conseguir pescar devido ao limo que já marca presença acentuada em certas zonas da nossa Costa, lá me decidi ficar pelo spinning, mesmo que a coisa não corresse de feição ao menos não ia carregado de material e nem desperdiçava “carcanhol” no isco.


Assim foi, modalidade de spinning escolhida, material e alimentação arrumado, carregar a carrinha e bora lá que a vida são dois dias e um já passou 😉
Embora eu deteste os dias grandes, nem tudo é mau pois dá para ver na maré da tarde como estão os pesqueiros. Depois do spot selecionado foi só esperar que se fizessem horas de dar aos braços e fazer uns lançamentos de que tantas saudades eu já tinha, o vento era incomodativo e inimigo o que me fez apostar em vinis mais pesados que as amostras para poder tirar mais rendimento dos lançamentos, acho que foi uma boa escolha porque os três peixes capturados nesta jornada foram todos ferrados lá fora. Ainda perdi um vinil, devolvi um robaleco pequeneco e tive um ataque bom mas que não ferrou, faz parte. Com o vento cada vez mais forte e o tempo a passar sem sinal de mais peixe no pesqueiro resolvi dar por encerrada esta jornada com uma boa sensação de dever cumprido e estava mais do que na hora de festejar os 10 anos na companhia de três bonitos Robalos, dois capturados com vinil e um com amostra.


Festa de anos sem bolo não é a mesma coisa e por isso decidi levar um com direito a velas e tudo, já agora porque não uma garrafa de champanhe também, não é todos os anos que se comemoram 10 anos, depois de apagar as velas lá tive de papar metade do bolinho com meia garrafa de champanhe para não embaçar, enquanto isso aproveitava o silêncio da noite onde se ouvia apenas o barulho do mar a espraiar lá em baixo, que saudades que eu tinha deste sossego.


Material utilizado
Cana:  Cinnetic Cautiva 3,30m
Carreto:  Cinnetic Cautiva Devil 4500
Linhas: multi  RAYBRAID 0,18 com terminal 0,40 Skyline da Cinnetic
Artificial: vinil + Jerkbait


No dia seguinte de manhã fui dar uma volta pela zona que está bastante bonita com as flores do campo a enfeitar a paisagem


Primavera


Aproveitei para dar uma limpeza ali em volta da carrinha, por agora ficou com melhor aspecto.



Arranja-se sempre qualquer coisa para enganar o estômago


Vinho para Homens de barba rija


Na parte da tarde fui dar um passeio para matar saudades 


Sempre disse que o turismo ia ser a destruição deste paraíso, mas por agora essa ameaça está em modo standby,  mesmo que não seja por muito tempo eu sei, nunca pensei voltar a andar por aqui como antigamente sem ver caminhantes nem turistas, afinal nem tudo é mau. Sei que o turismo é directa ou indirectamente o ganha-pão de muita gente, mas acho que o que é demais estraga e o turismo nos últimos anos tem sido demasiado aqui no Algarve o que na minha opinião faz com que os residentes locais percam qualidade de vida, pelo menos eu sinto esse efeito, a ver vamos o que o futuro nos reserva.
Um abraço e força aí pessoal.

quinta-feira, 23 de abril de 2020

Lobo do Mar 10 Anos (parte 1)

Boas pessoal, amigos, leitores, seguidores e espreitas…
Esta é a primeira parte de um post que eu já tinha em mente fazer há alguns anos, sempre pensei que se aguentasse o blogue activo até ao décimo aniversário, que faria uma publicação em modo de comemoração, pois então; aqui está ela.


Neste mês de Abril faz 10 anos que abracei o projecto de dar vida a este blogue, na altura tudo começou porque havia uma porrada de blogues de pesca em Portugal onde frequentemente se publicavam histórias e aventuras que o pessoal passava na pesca, uns com mais qualidade outros com menos qualidade mas o que o pessoal queria mesmo era ver e ler relatos de pesca, entre eles e sem querer mencionar nomes para não cometer o erro de me esquecer de algum, havia uma meia dúzia de blogues muito bons em que me inspirei naquela altura, então um dia decidi criar também o meu próprio blogue para partilhar algumas das minhas jornadas, no início era mais para mostrar aos meus amigos como corriam as minhas pescas, mas depois a coisa foi crescendo e hoje chegou a um patamar que eu nunca imaginei, quantos e quantos pescadores já me abordaram para falar comigo por me conhecerem através do blogue.

Serviu para fazer alguns amigos e conhecidos, bons amigos e bons conhecidos, mas também serviu para ver que as pessoas às vezes não são o que parecem ser, alguns fazem-se amigos quando precisam e depois quando pensam que já sabem tudo cospem no prato que comeram, enfim. Por uns pagam os outros e por isso tornei-me uma pessoa cada vez mais fechada no mundo da pesca, como dizia a minha bisavó; “Quem muito se abaixa o cú lhe aparece”.

A maior parte desses blogues que havia na altura abandonou a blogosfera por vários motivos, uns porque começaram a partilhar em outras redes sociais, outros apenas porque perderam o interesse, alguns porque deixaram de pescar com tanta frequência e outros porque não se queriam dar ao trabalho, porque isto de manter um blogue mais ou menos activo dá mais trabalho do que muito boa gente imagina.

O nome “Lobo do Mar” surgiu de uma forma natural, foi um termo que sempre utilizei com um antigo amigo e companheiro de pesca de há muitos anos e quando víamos algum pescador solitário fazer-se ao Mar fosse ele apeado ou de barco apelidávamos o gajo de “Lobo do Mar”, então sem ter de pensar muito o nome para o blogue estava mais do que escolhido 😊

Aproveito para agradecer a todos aqueles que me têm seguido assiduamente ao longo destes anos todos e também àqueles que só recentemente se juntaram a mim através do facebook, para todos vocês que perdem alguns minutos a comentar e até mesmo para aqueles que com um simples like dão a entender que gostam das minhas partilhas, Muito Obrigado a todos vocês…

Tinha em mente fazer uma jornada durante este mês para comemorar os 10 anos, mas com esta fase que todos nós estamos a atravessar não vai ser possível, fica a promessa de que quando isto tudo passar irei fazer uma jornada para comemorar e vou relatar aqui, com ou sem peixe 😉


Por agora entre outras ficam as saudades daqueles amanheceres de mãos geladas com espumeiros a caminharem uns atrás dos outros numa cadência certa por esses laredos fora e sempre na espectativa de cravar um bom Robalo, assim como olhar para as canas “espetadas” na areia em longas e compridas noites de Inverno à espera daquela porrada de um bom exemplar.
Saúde e força aí pessoal.

segunda-feira, 30 de março de 2020

Reflexões

Boas pessoal!
Esta tem sido uma temporada de pesca assombrada pelos mais diversos factores, definitivamente 2020 é aquele ano, ano de poucas pescas, ano que o mar não faz as feições que devia, ano de muito limo, e agora para terminar a temporada em beleza é o que todos nós sabemos, ou seja 2020 é um ano para esquecer. E não me venham com a velha história de que melhores anos virão porque eu já vou ficando com cabelos brancos e esses malditos anos nunca mais chegam, enfim…


Quando iniciei esta temporada, à partida já sabia que poderia ter de lidar com certos “elementos” e fracassar assim algumas jornadas, elementos esses que já se esperavam e outros que nem estou à espera mas que na véspera agoiram outras tantas jornadas, se pescar no Inverno em anos anteriores já não era fácil, este ano piorou mais um pouco (falo principalmente do mar e do vento que não se conciliam para fazer a feição na altura certa, falo do limo que não tem largado algumas zonas da nossa Costa e falo das capturas de qualidade que poucas vezes apareceram nas poucas oportunidades de pesca) e agora no início da primavera que um gajo ainda podia safar duas ou três jornadas é o que todos nós sabemos, a cada ano que passa é cada vez mais difícil encontrar bons exemplares e fazerem-se boas pescas…


O dono da rua.

Este hibernar humano obrigatório tem alguns efeitos positivos na Natureza, na Atmosfera e no Mar, isso todos nós já sabemos, hoje felizmente está de chuva por aqui, agora para aqueles mais distraídos já pensaram onde vão parar com a ajuda da chuva os milhares de litros de desinfectantes que se andam a espalhar nas ruas e quantos milhares de luvas e mascaras descartáveis irão dar à Costa nos próximos tempos!!?

Enfim; todos sabemos que a vida é feita dos mais variados ciclos, este certamente será mais um, espero que sirva para mudar algumas mentalidades mesmo que sejam poucas, pois mais vale pouco do que nada, espero que os mais egoístas e irresponsáveis sejam castigados e que os mais conscientes, humildes e honestos tenham as suas oportunidades depois de este caos passar…


Um sítio especial, tantas e tantas recordações que eu tenho desse spot, umas boas e outras más, mas são recordações que já mais esquecerei.

Por vezes estou em casa e principalmente à noite lembro-me de certas noitadas que fiz recentemente e outras já antigas, é uma sensação do caraças recordar aqueles momentos vividos e que por vezes parece que não passaram de um sonho.


Já que um gajo tem que estar em casa também tem de comer alguma coisa, atão!!! Umas “Migas à Lobo do Mar” para o jantar e para não embaçar lá vai uma garrafinha de vinho e às vezes mais qualquer coisa, ele há dias que custo a encontrar a cama, até medo eu tenho de ir lavar os dentes não vá um gajo encontrar uma operação stop no caminho do quarto pá casa de banho, nos dias de hoje o melhor é não arriscar porque os gajos ás vezes estão onde menos se espera 😂


Recordar é viver, Inverno de 2009, que saudades que eu tenho destes tempos em que o turismo ainda era uma miragem em certas zonas.

Moços, quem estiver a pensar em abrir um negócio, invistam numa loja de fraldas porque isto com o pessoal tanto tempo fechado em casa daqui a 9 meses há moços a nascer por aí que é um disparate, alguns até hão-de vir aos pares.
Por hoje é tudo, portem-se bem e cuidem-se mas não se esqueçam de cuidar também da Natureza e do Oceano.
Saúde e força aí.

quinta-feira, 19 de março de 2020

Uma Vingança da Natureza

Boas pessoal!
Para aqueles que têm acompanhado o meu trajecto aqui no blogue, sabem que sou um defensor da Natureza e dos Oceanos, é claro que também deixo a minha pegada ecológica, mas é um acto que tento minimizar ao máximo e quando posso compenso de alguma forma, entre outras coisas chego a ficar uma semana ou mais sem pegar no carro, evito o consumo excessivo de embalagens de plástico, etc; sou um defensor e apaixonado da vida sustentável e auto sustentável.


Pois é, os humanos têm andado a brincar com a Mãe Natureza nos últimos anos ou décadas e agora estão fechados em casa com o rabinho entre as pernas com medo de uma coisa que nem se vê a olho nu.


Eu sempre disse que a Natureza um dia se ia vingar de todo o mal que lhe fazem, só nunca pensei é que fosse já e muito menos desta forma, vendo bem se ela se vingasse através de um Mega Tsunami, Tornados ou outra coisa qualquer só afectaria uma parte do globo, um continente, um País ou coisa do género e dessa forma iria também afectar a fauna e flora.


Mas não, a Mãe Natureza elaborou esta vingança de uma maneira tão estratégica que conseguiu meter o Mundo todo em sentido sem escolher classes sociais, raças nem cores, com um vírus que até agora e ao que se sabe só está a afectar a raça humana, deixando todos os outros seres vivos fora do baralho e que neste momento estão livres e felizes...


Entre outros, um dos sectores mais afectados está a ser o do turismo que na última década e sem olhar a meios e consequências tem afectado e destruído diversas zonas costeiras que permaneciam quase intactos como pequenos paraísos em termos de paisagem e sossego, para além disso serviam de refúgio para muitas espécies animais, sem nunca esquecer da poluição provocada por todos os meios motorizados que este sector usa poluindo a atmosfera e o ar que respiramos diariamente.
Pois é, a Mãe Natureza achou que estava na hora de jogar esta carta e virar o jogo dando assim uma bela bofetada na raça humana, à qual eu me envergonho de pertencer.


Isto é só um pequeno aviso para avivar a memória daqueles mais esquecidos de quem é que manda nesta merda, vamos lá a ver se aprendem a respeitar a Natureza e os Oceanos porque embora isto ainda esteja no começo e sem se saber como e quando vai acabar para a próxima a coisa poderá ser bem pior e nem terem tempo de se preparar para a batalha.


Aprendam a ser felizes com pouco, sem mordomias, sem excesso de consumismo, sem aquelas viagens de lazer só para dizer que lá estiveram e partilhar fotos nas redes sociais a exibirem-se, a vida é muito mais do que telemóveis de última geração, carros luxuosos para impressionarem aqueles de quem não gostam, não abusem dos recursos naturais nem de outros, sejam humildes e não tenham vergonha de apanhar o lixo que dá à Costa ou que é abandonado por qualquer atrasado mental, não tenham vergonha de pedir desculpa quando é necessário.


Muito mais poderia escrever aqui hoje, mas como em tudo as opiniões dividem-se e os interesses sobrepõem-se, no final tudo acaba em discussões inúteis e não é esse o meu objectivo.
Saúde e força aí pessoal.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Inverno Falsificado

“Surfcasting”
Boas pessoal!
Tenho andado arredio aqui do blogue e da pesca também, um pouco desmotivado.
Infelizmente a cada ano que passa os Invernos são mais curtos aqui na Costa Sul, mares de Inverno quase que já não entram, fez dois ou três dias de frio e andava tudo entenguído, choveu três ou quatro dias e mesmo assim já estavam todos desesperados sem saberem o que fazer, por mais que me esforce não consigo entender estas mentalidades modernas em que o conforto e o bem-estar se sobrepõe ao elemento essencial para a vida no Planeta Terra (água/chuva)… São semanas a fio de dias de sol deprimentes e como se já não bastasse quando um marsinho bom faz uma visita vem acompanhado de lixo, já virado a Norte são Mares grandes e fortes uns pegados aos outros durante semanas sem darem descanso à Costa, quando começa a descer e parece que se vai aprumar para um gajo fazer uma pescasita, toma! Porrada até mais não outra vez, depois começa a descer e quando parece que se vai aprumar para um gajo fazer uma pescasita, toma! Porrada até mais não outra vez… E é assim o Inverno todo com períodos de vaga que outrora nem existiam. Tudo bem que é um verdadeiro defeso natural e que faz falta, mas uma abertazinha de um dia ou dois para um gajo fazer uma pescasita também não fazia mal a ninguém, isto acaba por ser desmotivante para um gajo que gosta de pescar apenas no Inverno que é o meu caso.

Se estiver de chuva, coisa que é raro aqui no sul, ainda escapa, agora em dias de sol é camones por todo lado, parecem aguídas a desabelhar do cabeceiro numa manhã de Outono a seguir a uma noite de chuva, os tempos estão mudados e a meu ver para pior, antigamente tínhamos três meses de verão e o resto era Inverno, agora é ao contrário; temos três meses de Inverno e tudo o resto é verão… 


O mês de Fevereiro foi um autêntico mês de Primavera, é uma estação que todos os anos se antecipa, mas como este ano não me recordo de ver tal coisa, semanas seguidas de céu limpo e com temperaturas acima dos 20º durante o dia, já não bastava o verão que se antecipa e se prolonga cada vez mais.

Bom, mas neste dia de pesca ainda eu mal tinha montado as canas e já me apareceu um cámon vindo não sei de onde com uns calções cor-de-rosa e um chapéu de palha, todo besuntado com um óleo esquisito que mais parecia um frango daqueles do ping dôce, o gajo falava assim uma mistura de alemão com espanhol e saca de um papel e lê assim: (Nu- Homem- Praia) e eu: (Áhhhh!!! Panereiragem é além pá frente vai já andando, vai já)… Porra era só o que me faltava, já não basta o peixe ser pouco que um gajo ainda tem de gramar com estas modernices hãmm, porra vai lá vai….

A jornada em si pouco tem a contar, pois quase não consegui pescar por causa do limo, mais um ponto negativo por estas bandas, se já não é fácil entrar por aqui um mar porreiro para pescar e é difícil dar com eles agora ainda existe o limo que tem feito um papel de residente por aqui.
Foi uma jornada fraca onde apanhei apenas cinco peixes neste dia, dois foram devolvidos e guardei estes três belos Sargos para as sopas.


Agora é sempre assim, veio para ficar, desmotivação total…


Material utilizado
Canas:  Cinnetic
Carretos:  Cinnetic
Linhas:  SkyLeader 0,20 no carreto e SkyLine 0,33 nos estralhos
Anzois:  Hayabusa


Neste dia consegui pescar graças ao SkyLeader da Cinnetic, uma linha que não tendo o nó de união ajuda muito uma vez que não tenho de parar a recuperação para ir tirar o lixo que normalmente fica preso no nó.


Eu já me tinha lembrado que isto um dia me ia acontecer, não consegui ver onde estava o artista que pilotava esta merda, mas seja lá quem for quando quiseres espreitar vai espreitar a tua mãe que deve ser bem mais interessante, descuida-te que um dia destes levas com 150g de chumbo na porra da avioneta e depois vai-te te queixar ao papá que o Lobo do Mar mandou-te o drone a baixo…


Um dia destes aproveitei para ir aqui à Ria Formosa fazer a maré e apanhar uns lingueirões para o petisco


Sinais da Primavera antecipada logo no início de Fevereiro


E quando eu pensava que já tinha visto tudo em relação a mudanças, eis que dou de caras com uma Alvéola na praia a comer pulgas da areia, quem percebe de passarada sabe bem que isto não é uma imagem comum…


Cegonhas


O amigo João Santana tinha-me oferecido uma Sra. Lula e ensinou-me a cozinhá-la com natas, juntei-lhe uns camarões e uma colher de caril e aproveitei as cabeças dos camarões para fazer uma fritada com alhos, a brincar fiz um petisco que nem imaginam, um gajo tem de comer alguma coisa, atão 😋
Pessoal por hoje é tudo, sejam conscientes nas vossas pescarias e não deixem lixo nos pesqueiros.
Saúde e força aí…

domingo, 2 de fevereiro de 2020

Noite de Glória

“Surfcasting”
Boas pessoal!
Com o mar a dar umas condições porreiras lá fui eu de malas aviadas com a carrinha atafulhada até ao pescoço.
As boas condições para a pesca em determinadas zonas não acontecem a escrever no pc ou no tlm as condições que queremos e fazer “Enter” e o mar no spot X fica como queremos, isto é muito mais complicado do que se imagina, praias de fundos mistos estão a mudar constantemente e só para terem uma noção, tenho jornadas programadas para determinados pesqueiros há anos e não as consigo realizar simplesmente porque as condições não se conjugam, quando não é do cú é das calças, enfim…

A última jornada antes desta (que nem vou entrar em detalhes) não me tinha corrido nada bem e já andava aqui com o “sapo entravacado no garganil até mai não”, mas neste dia disse logo a mim mesmo que (Hoje não vou aturar disparates nem Robalos mal educados).


Já em acção de pesca e sendo eu um gajo teimoso e de ideias fixas sabia bem aquilo que procurava e concentrei-me no que estava a fazer, as quase sempre presentes sarguetas que tantos pescadores de surfcasting procuram, trituravam-me as iscadas como se fossem piranhas, o que me obrigou a estar mais atento.

O tempo ia passando numa noite relativamente calma e serena, o Mar tinha um toque bom e por vezes até afrouxava a linha um nadinha mas coisa pouca, tranquilo…
De instantes em instantes verificava se as canas estavam a pescar bem, a cada passo que dava sentia os meus pés enterrarem-se nas areias novas que o mar estava a meter naquele spot, a certa altura estava eu sentado numa pedraséca a comer uma maxóta de alcagoitas enquanto olhava para uma cana, quando viro a cabeça para olhar para a outra estava toda dobrada que até parecia um pescoço de cavalo (Tcxxée cacete que havia alcagoitas pus ares que aquilo até era uma coisa por demais) não que seja costume eu ir a correr para a cana porque acho isso uma atitude desnecessária, a não ser que haja pedra por perto, mas aquela visão momentânea surpreendente fez com que me levantasse rapidamente …

Pego na cana e sinto um puxão daqueles pujantes “Élááá!!! Espera aí que tenho aqui um pexeco jeitoso” Eu fiz-lhe sinal e ele deu-me um puxão, eu dei-lhe outro toque com a cana na vertical e ele obrigou-me a mete-la quase na horizontal “Élááá!!! É disto que eu gosto” daí em diante fui jogando um tipo de ping-pong com o velhaco, ele cabeceava do lado de lá e eu do lado de cá recuperava dois ou três metros sempre que podia, a zona de rebentação foi complicada de atravessar mas a pouco e pouco o SkyLine entrava na bobine do carreto e a distância entre mim e o velhaco ia diminuindo, com o peixe já em dois palmos de água o batimento cardíaco aumenta e ainda faltava uns metros para o meter a seco, quantas e quantas vezes é nestes míseros metros que se perdem os Grandes troféus, foram uns metros difíceis de se decidirem porque eu não sabia bem o que lá estava e nem como vinha ferrado, aos poucos o velhaco foi cedendo e colaborando comigo e quando demos por nós estávamos cara a cara e assim que tive oportunidade  joguei-lhe a mão, por momentos ainda pensei estar perante um novo recorde mas não, tinha 6 kilotes apenas… Era um peixe gordo e magnifico de se olhar, ideal para comer com pouca batata e MUITO vinho 😉

Quem está de fora deste mundo da pesca não sabe, não imagina e não faz ideia por quantas e quantas noites de "sofrimento" e de derrota um pescador de cana passa até ter uma verdadeira noite de glória, o trabalho, a dedicação e o investimento que fica para trás são recompensados numa noite como esta e são nestas noites que percebemos que todo esforço e "sacrifício" até faz sentido e quem apanha grandes chibos também está sujeito a apanhar grandes Robalos.


Em cenários assim como este a magia do mar pode esconder grandes e agradáveis surpresas por debaixo destas lindas e simpáticas espumas.


É claro que no meio daquilo tudo tive de acalmar o estômago com uma sopa de feijão e um entaladinho de chouriço no pão torrado, um gajo também tem de comer alguma coisa, tão!!!



Material utilizado
Canas:  Cinnetic
Carretos:  Cinnetic
Linhas:  SkyLine 0,24 nos carretos, chicotes Cinnetic e SkyLine 0,40 nos estralhos
Anzois:  Hayabusa


A Natureza por vezes é uma armadilha montada que espera pelos mais distraídos (pessoal muita atenção onde metem os pés quando andarem a espreitar os pesqueiros)


No dia seguinte antes de vir embora foi a minha vez de retribuir à Mãe Natureza com esta apanha de lixo que o Mar tinha trazido, neste dia até houve paciência para encher dois garrafões pelo gargalo.
Pessoal por hoje é tudo, sejam conscientes na pesca e não deixem lixo nos pesqueiros...
Saúde e força aí…

quinta-feira, 16 de janeiro de 2020

Insistir antes de Desistir

“Spinning”
 Boas pessoal!
Esta foi uma semana de indecisão, a cada actualização as previsões diziam uma coisa diferente, era chuva; era temporal; era vento, era isto e aquilo, mas aqui na minha zona sul tudo não passou de meras previsões, até vos digo mais; quase que chovia…

Bom, então com isto tudo decidi ir dar um passeio a um sítio que não ia há muito tempo, aproveitava a viagem para fazer uma maré de marisco (carcanholas=ostras) que costuma haver ali numa zona da Ria e depois fazia mais meia dúzia de kms e rumava à Costa para um spinning ao final da tarde/início da noite, às vezes até aparecem por ali uns robalotes…


Logo de início ainda tive uns ataques falhados que penso que fossem bailas que às vezes andam por ali, os lançamentos eram complicados por causa do vento mas eu já sabia que ia ser assim e por isso não me podia queixar, queria apenas aproveitar para fazer uns lançamentos e curtir ali um pouco do contacto com o Mar, para além disso já tinha apanhado uma boa “maxeia” de carcanholas para garantir o petisco.

Já mais tarde e com a noite instalada os lançamentos sucediam-se uns atrás dos outros mas sempre nas calmas, ainda pensei em desistir e vir embora mas não, fiz uma paragem para comer uma bucha e uma garrafinha de vinho que tinha levado e voltei a insistir, a certa altura enquanto recuperava pareceu-me sentir algo a tocar a amostra, parei por instantes e assim que recomeço quando dei por mim tinha a cana dobrada, “Élááhhhh assim tá bem” disse eu em voz alta, um velhaco teimoso e cheio de energia cabeceava forte e pedia-me para abrir um pouco o drag, mas nisto começou a nadar na lateral e como ali não havia pedras e tinha espaço ainda caminhei com ele sem apertar muito, tive oportunidade de sentir bem este peixe que a pouco e pouco se rendeu às evidencias e veio se estender aos meus pés…


Foi uma alegria do caraças quando meti o velhaco em seco, sabia que ali podia ter a sorte de apanhar alguma baila boa ou um robalote kileiro mas não estava à espera de apanhar um peixe destes com aproximadamente 75cm e 4,6kg.
Isto do spinning é um vício lixado, acho que se um dia pudesse construía um viveiro de Robalos numa piscina de ondas para passar o resto da vida a lançar amostras e cravado neles até ao pescoço 😂


Material utilizado
Cana:  Cinnetic Crafty Sea Bass CRB4 3m
Carreto:  Cinnetic Cautiva Devil 4500
Linhas: multi  RAYBRAID 0,18 com terminal 0,40 Skyline da Cinnetic
Artificial: Crafty Minnow 150F (cor nº6)



A tal paragem para repor energias, uma conserva de lulas em tomatada, um gajo tem de comer alguma coisa, atão…


Para além do peixe ainda trouxe um saco de carcanholas, vieram logo lavadas e escovadas com água do mar.

Bom pessoal por hoje é tudo.
Agasalhem-se bem porque isto parece que vem aí mais frios, é assim é tempo dele.
Saúde e força aí.