quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Dia de Tempestade

“Surfcasting”
Boas pessoal!
Espero que tenham passado um bom Natal perto daqueles que mais gostam, sei que nem sempre é assim porque a vida não é como nós queremos, mas; enfim…
Bom, mas com aquelas tempestades que fizeram na semana passada, escolhi um dia para fazer uma jornada de surfcasting aos Sargos, eles não apareceram em grande quantidade mas pelo menos eram bons.


No dia antes dei um saltinho à praia para ver como aquilo estava e escolher uma zona que me agradasse, o mar nesse dia era forte e com muito vento, dei por ali uma voltinha e fiquei logo com uma ideia de onde poderia fazer esta jornada.
Já no dia de pesca, cheguei à hora que achei melhor e montei o material nas calmas, fiquei desanimado porque vi muito limo na areia e antevi uma jornada difícil, até tive as minhas dúvidas se ia conseguir pescar, no dia anterior com mais mar o limo era menos.
Numa jornada de Surfcasting há três coisas muito importantes, o planeamento do pesqueiro, a preparação e verificação do material e a escolha/preparação do isco.


Depois de insistir em pescar com as duas canas fui obrigado a encostar uma devido ao limo que ficava no nó do chicote e me fazia perder bastante tempo a removê-lo.

Na outra cana já não aconteceu isso, apesar de também apanhar limo mas não me dava tanto trabalho porque estava a pescar com a linha “Sky Leader” da Cinnetic, para quem não conhece é uma linha que termina em cónico, ou seja; neste caso era um 0,20 que termina os últimos 15m conicamente em 0,57… Assim sendo e como não existe nó não perdia tempo a parar a recuperação e ir à ponteira tirar o lixo. No estralho fui obrigado a pescar grosso porque enrolava muito.

Entretanto chegaram mais pescadores que também tinham dificuldade em pescar por causa do limo e rapidamente desistiram, para além disso não conseguiam agarrar as pescas no sítio certo e vinham logo parar cá fora, um até já meio desesperado quase que me acertava com a chumbada depois de andar para ali a fazer macacadas (lançamentos OTG).


Aos poucos a pesca foi acontecendo e mesmo a pescar só com uma cana, lá fui juntando uns pexecos porreiros e de boa bitola com alguns Sargos kileiros onde o maior acusou 1,300kg; que saudades que eu tinha de sacar um casmurro destes, gosto de lhes chamar casmurro porque quando chegam ali à borda de água recusam-se a sair dando umas valentes cabeçadas e que me obrigam a trabalhar o peixe com cuidado, principalmente quando estou a pescar fino.
Depois de tirar esta foto ainda apanhei mais três de 500g que já não pousaram para a foto de família, ao todo trouxe dez peixes porreiros para casa numa pesca que quase não acontecia se eu não tivesse uma bobine recheada com o “Sky Leader”


A garrafa de água não deixa enganar a qualidade de alguns Sargos que andavam por ali naquele dia.


Como se já não bastasse ter de esperar semanas por mares bons para se fazer umas boas pescas, este ano ainda há mais este obstáculo que teima em permanecer nas praias.


Material utilizado
Canas:  Cinnetic
Carretos:  Cinnetic
Linhas:  Sky Leader 0,20 no carreto e SkyLine 0,40 nos estralhos
Anzois:  Hayabusa



Um dia destes o gang dos petiscos juntou-se para mais uma jantarada de Natal, o João Santana ensinou-me a fazer umas lulas que ficam uma categoria; nesta foto o João mostra quem é o Mestre da cozinha.


Lulas e arroz feito pelo João; um gajo tem de comer alguma coisa 😃



Eu fiz uns periquitos fritos, os moços têm de comer alguma coisa para além das lulas 😂 


O gang dos petiscos no jantar de Natal, aqueles dois carecas até parecem irmãos hahahaha…

Bom pessoal, por hoje é tudo, depois de uma semana de Invernada, agora tem feito uns dias tranquilos e solarengos, infelizmente houve por aí uns estragos mas por mais destruidora que a Natureza seja, ela será sempre melhor e mais perfeita do que a espécie humana.

Se não nos “vermos” mais, um Bom Ano para todos aqueles que me seguem e que gostam de vir aqui ler os meus relatos de pesca.
Saúde e força aí pessoal.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2019

Robalo Natalício

“Surfcasting”
Boas pessoal, já havia uns dias que não publicava nada, poucas têm sido as vezes que o mar faz feição de se apanhar uns peixes e quando o faz o peixe não comparece ao encontro.
Nesta altura do ano há muitos pescadores que procuram o tão cobiçado Robalo Natalício, eu não sou excepção e também fui procurar o meu, aproveitei uma pequena quebra que as condições meteorológicas deram entre duas tempestades e fui tentar a sorte.

Esta tem sido uma semana de Invernada que já fazia muita falta, pelo menos aqui no sul, mares de tormenta são bons para mexer e remexer os fundos. Estamos num ano atípico no que diz respeito ao limo na Costa Sul e estes mares podem ajudar um pouco na eliminação desse limo (lixo). Vejo por aí pessoal a queixar-se que não tem sorte na pesca por causa do mau tempo e do estado do mar, pois a meu ver esse mau tempo e mares grandes são a nossa sorte para se poder apanhar uns bons peixes no futuro seja ele próximo ou longínquo, isto sim é um verdadeiro defeso natural e para TODOS, também me custa ficar sem pescar nos sítios que mais gosto durante semanas ou meses, pois levo o ano inteiro à espera do Inverno para pescar e por aqui o Inverno resume-se a quatro meses que passam num abrir e fechar de olhos, há quem diga que os Algarvios têm sorte porque podem pescar quase todos os dias, desenganem-se porque mar chão não é sinónimo de peixe e muito menos de grandes pescarias, o mar tem de fazer feição em determinadas alturas para o peixe abeirar para comer, se não o mais certo são chibos atrás de chibos como se costuma ver por aí o pessoal a falar nas redes sociais.

Finalmente a chuva chegou, seja ela bem-vinda pois tanta falta faz para a vida na terra e também para a vida no Mar, embora hoje em dia já dê por a mim a pensar que as ribeiras e riachos que desaguam para o Mar e que antigamente levavam muitos e bons nutrientes, hoje levam também agroquímicos das hortas e plantações assim como os óleos e combustíveis dos automóveis que estão nas estradas e que com as chuvas acaba tudo por ir parar ao Mar, entre outras tantas coisas que usamos em nossa casa no dia-a-dia e que nem nos lembramos que no final tudo acabará no Mar, “Áh e tal essas águas passam nas estações de tratamento” tretas, desculpem lá mas a mim não me enfiam os dedos no olhos porque eu não deixo…


Bom pessoal mas vamos lá à jornada e vou tentar resumir ao máximo para não esticar muito o relato. Depois de estudar as condições e pensar no spot em que ia apostar e já saber que ia apanhar chuva, claro; não estou a reclamar, pois ela faz tanta falta que nem tenho o direito de reclamar, cheguei cedo para ver como aquilo estava e embora não estivesse um luxo dava para desenrascar e antes que chegasse alguém e me “roubasse” o lugar apressei-me a montar as canas, depois tudo o resto já terminei nas calmas. 

A actividade de peixe aceitável era fraca e ainda devolvi três bailas pequenecas, já noite fora tive a felicidade de ferrar este Robalo que para variar era filho único mas pelo menos era dos bons, na mesma cana e mais tarde ainda tive uma boa porrada mas não ficou.
Posso dizer que fiquei satisfeito com o resultado, pois nos dias que correm não se pode pedir muito, fiz o que pude para rentabilizar ao máximo o tempo que estive a pescar mas não consegui aproveitei mais nenhum peixe, o único ponto negativo foi o limo que continua a não dar tréguas…



Pode ser que não chova!! Hahahahaha deve ser isso deve, fia-te na virgem e não vistas o corta-vento não…



Material utilizado
Canas:  Cinnetic
Carretos:  Cinnetic
Linhas:  SkyLine 0,24 nos carretos, chicotes Cinnetic e SkyLine 0,37 nos estralhos
Anzois:  Hayabusa



Depois da pesca aconcheguei o estômago com umas broas de amêndoa e um JB 15 anos, um gajo tem de comer alguma coisa, atão!!!


A apanha do lixo desta vez não foi muita, mas sempre ouvi dizer que mais vale pouco do que nada…
Eu pelo menos ainda apanhei este agora a “Greta” aquela é boa é pa falar, discursos e palestras que até faz lembrar os políticos, eu não tenho nada contra a miúda mas nunca vi um vídeo ou uma foto sua a apanhar lixo marinho, nem vou dizer mais nada…


Aí um dia destes combinou-se um jantar de Natal com uns amigos da pesca aqui do Sul como já vem sendo hábito nos últimos anos, tudo malta simples e porreira, muitas gargalhadas e galhofa neste convívio onde comida e bebida não faltou, e o medronho caseiro até foi de mais 😂


Enquanto o pessoal falava e esperava pelo prato principal eu resolvi garantir logo a pesca ali com uma travessa de camarões que ninguém lhe tocava, a mim ensinaram-me que primeiro come-se e depois logo se fala, aí não 😉 


O Mestre Sílvio tinha feito anos uns dias antes e teve uma surpresa que o Zé Dias lhe preparou, o bolo estava bom sim Sr.  mas devia ser maior 😋


Bom pessoal por hoje é tudo, não é que eu ligue muito ao Natal, mas Natal é Natal e por isso desejo um Bom Natal a todos aqueles que me seguem e que gostam de ler os meus relatos de pesca, uns bons e outros menos bons, pois isto não é como eu quero é como a vida e a Natureza manda.

Quando puderem apanhem algum lixo na orla costeira para ajudar o meio ambiente, mesmo que seja pouco sempre ajuda mais do que falar da boca para fora ou discutir o assunto nas redes sociais, entretanto pode ser que o Pai Natal lhes ponha umas escamas na bota 😏
Saúde e força aí pessoal.